Fale conosco

O que avaliar na fatura de energia antes de migrar para o mercado livre de energia elétrica?

27 de abril de 2021

Entender a fatura de energia não é tão simples quanto acender a luz, mas estamos aqui para te ajudarSaber interpretar a fatura de energia é essencial para análise da viabilidade de migração de um consumidor cativo para o mercado livre de energia elétrica 

Hoje você vai entender 5 pontos importantes para entender uma fatura de energia e assim poder tomar a decisão de migrar (ou não) para o ambiente de livre negociação de energia elétrica.  

5 pontos para analisar antes de migrar para o mercado livre de energia elétrica

 

 

1 – GRUPO TARIFÁFIO

Para migrar para o mercado livre de energia elétrica, o consumidor deve estar no grupo A. Neste grupo, os consumidores são atendidos em Média e Alta tensão, acima de 2.300 Volts. Como exemplo, geralmente são as indústrias e grandes complexos comerciais. 

Dentro deste grupo ainda encontramos 6 subgrupos, são eles: 

  • Subgrupo A1 para o nível de tensão de 230 kV ou mais; 
  • Subgrupo A2 para o nível de tensão de 88 a 138 kV; 
  • Subgrupo A3 para o nível de tensão de 69 kV; 
  • Subgrupo A3a para o nível de tensão de 30 a 44 kV; 
  • Subgrupo A4 para o nível de tensão de 2,3 a 25 kV;
  • Subgrupo AS para sistema subterrâneo.

2 – MODALIDADES TARIFÁRIAS 

As modalidades tarifárias são um conjunto de tarifas aplicáveis ao consumo de energia elétrica e a demanda de potência. Elas variam conforme o grupo tarifário em que o consumidor está classificado. 

Para o grupo A que é atendido pelo mercado livre de energia elétricaas modalidades tarifárias são Azul e Verde e vão variar conforme a sua subclassificação e seu consumo de energia nos postos tarifários. 

  •  Horária Azul: Tarifas diferenciadas de consumo de energia e de demanda de potência, de acordo com o posto tarifário (ponta e fora ponta). Disponibilizada para todos os subgrupos do grupo A. 
  •  HoráriaVerde: Tarifas diferenciadas de consumo de energia de acordo com o posto tarifário (ponta e fora ponta) e uma única tarifa de demanda de potência. Disponível para os subgrupos A3a, A4 e AS.

3 – POSTOS TARIFÁRIOS 

Além da diferenciação dos grupos, pela tensão de alimentação, também existe a diferença na valoração da energia por horário. 

Este ponto é importante para definição da modalidade tarifária e pagamento do uso da rede para a distribuidora, mesmo que o consumidor esteja no Mercado Livre de Energia Elétrica.  

Para o grupo A (Azul ou Verde) temos: postos tarifários de Ponta e Fora Ponta. 

  • Posto horário de Ponta (P): São 3 horas consecutivas diárias (geralmente das 18 às 21h) onde há um consumo elevado de energia, conforme a curva de carga de cada distribuidora. O horário de ponta não se aplica aos sábados, domingos e feriados nacionais. Ovalor da tarifa neste horário é mais caro do que no FP. 
  • Posto horário Fora Ponta (FP)São as demais horas do dia, ou seja, as horas consecutivas e complementares às do posto tarifário de ponta.

4 – DEMANDA CONTRATADA 

A Demanda contratada é a potência ativa a ser obrigatória e continuamente disponibilizada pela distribuidora, com custo fixo mensal expressa em R$/ KW 

Para os consumidores da modalidade azul, a demanda divide-se em ponta e fora a ponta. Já para os consumidores da modalidade verde, há apenas uma contratação, válida para ponta e fora ponta como a mesma.

O consumidor que almeje migrar para o Mercado Livre de Energia Elétrica deve possuir uma demanda mínima de 500 kW, ou estar apto a realizar comunhão de cargas com outras unidades consumidoras. 

 

5 – CONSUMO  

O consumo é a quantidade de energia consumida em cada mês expresso em kWh, sendo um dos pontos a serem analisados no mercado livre de energia elétrica Assim como a demanda, ele também é classificado de acordo com o horário ponta e fora ponta 

É importante identificar tanto no consumo ponta como fora ponta a parcela correspondente à TE (tarifa de energia) e TUSD (tarifa do uso do sistema de distribuição), para isso deve-se consultar a resolução homologatória vigente da distribuidora, essa está disponível no site da Aneel.  

Com essas informaçõesé possível entender a estrutura da tarifa de energia e iniciar o processo de estudo de viabilidade de migração de um consumidor cativo para o mercado livre de energia elétrica 

Se ainda ficou com dúvida, entre em contato e realize uma simulação de viabilidade para o mercado livre de energia elétrica. 

Joiris Manoela Dachery, Fundadora Energês