Fale conosco

Comunhão de cargas no Mercado Livre de Energia

11 de fevereiro de 2021

Você já ouviu falar em comunhão de cargas do mercado livre? Sabe como funciona a comunhão de cargas no mercado livre de energia?

Continue a leitura e descubra como consumidores podem migrar para o mercado livre mesmo não tendo a demanda contratada mínima exigida pela legislação.

O que é comunhão de cargas?

O mercado livre de energia é uma opção muito atrativa para as empresas, ele possui diversos benefícios, que vão desde a sustentabilidade, até redução dos gastos em 30%. Porém, nem todos podem migrar, já que ele só permite consumidores com demanda mínima de 500 kW, como consumidor especial.

E é aí que entra a comunhão de cargas, uma opção para quem deseja migrar para o mercado livre de energia, porém possui demanda contratada menor que o exigido.

A migração por comunhão de cargas é uma alternativa para unir Unidades Consumidoras (UC) e, juntas, atingirem o valor mínimo para migrar para o Mercado Livre.

A comunhão de cargas acontece usualmente em indústrias e empresas de pequeno e médio porte, que não possuem demanda individual suficiente para a migração do ML, e apresentam mais de uma unidade consumidora na mesma localidade ou mesmo grupo empresarial.

Como funciona a migração por comunhão de cargas?

Como dito anteriormente, a comunhão é a união entre UC e, para isso, existem duas formas de fazer isso:

comunhão de cargas
Tipos de migração por comunhão de cargas

Comunhão de Direito

A comunhão de direito consiste na união de unidades consumidoras de um mesmo grupo empresarial, ou seja, com a mesma raiz de CNPJ.

Além disto, as unidades consumidoras também devem estar situadas no mesmo submercado (Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste ou Norte), entretanto, não precisam estar próximas umas das outras.

Por exemplo: Marcos, dono de uma rede supermercados no Nordeste, notou que a soma da demanda de energia (todos os supermercados) apresenta 575 kW de uso no sistema distribuição.

OBS.: Lembre-se que estamos falando de potência em kW e não do consumo de energia em kWh/mês.

Os supermercados dele no Ceará totalizam um uso de 150 kW. No Rio Grande do Norte, seu supermercado tem demanda contratada de 75 kW e, na Paraíba, a demanda do supermercado é de 50 kW.

Já em Pernambuco, eles totalizam demanda de 150 kW e, o seu mesmo grupo de supermercados na Bahia, totalizam demanda contratada de 150 kW, como mostra a imagem abaixo.

Simulação - Comunhão de Direito
Simulação – Comunhão de Direito

Se todos os empreendimentos são do mesmo grupo e possuem a mesma raiz de CNPJ, Marcos pode fazer comunhão de cargas entre todos eles para migrar para o Mercado Livre.

Mas tem uma questão importante:

O Uso do Sistema de Distribuição mínimo da Unidade Consumidora para que ocorra a comunhão de cargas é de 30 kW.

Agora vamos entender sobre a comunhão de fato.

Comunhão de Fato

A comunhão de fato acontece quando há unidades consumidoras localizadas em áreas contíguas, ou seja, unidades que são vizinhas.

Um ponto importante que devemos destacar na comunhão de cargas é que as unidades consumidoras não podem ser separadas por vias públicas.

Estas UCs podem agregar suas cargas para atingir o nível de demanda para 500 kW exigidos para se tornar um consumidor especial.

Exemplificando, uma área industrial que apresenta 3 indústrias que querem migrar para o Mercado Livre como Consumidor Especial (figura abaixo).

Simulação - Comunhão de Fato
Simulação – Comunhão de Fato

Neste caso as indústrias A e B podem realizar uma comunhão de cargas por totalizarem demanda maior de 500 KW e não estarem separadas por vias públicas.

Já a indústria C não consegue entrar em comunhão de cargas com as demais justamente por apresentar uma separação com uma via pública.

Sempre lembrando que o uso mínimo do sistema de distribuição de cada UC deve ser de 30 kW.

Há sempre uma alternativa de economia com energia elétrica, contate um profissional capacitado para te ajudar!

Quer saber mais sobre o Mercado Livre de Energia, siga nossas redes sociais: Facebook, Instagram, Linkedin, Youtube e Twitter.

Este conteúdo foi elaborado pela Joi, Fundadora do canal Energês.

2W Energia