Fale conosco

Bandeira Tarifária de escassez hídrica? Não no mercado livre de energia!

3 de setembro de 2021

Categorias:

Essa semana, o consumidor foi impactado com a notícia de um novo aumento na tarifa de energia. Dessa vez, é a bandeira tarifária “escassez hídrica”, que é ainda mais grave do que a bandeira vermelha patamar 2.

Até abril de 2022, o consumidor pagará R$ 14,20 a cada 100kWh de consumo, uma alta de quase 50% em relação aos R$ 9,49 da bandeira que estava vigente até o último dia de agosto.

Mas o que nem todos sabem é que o sistema de bandeira tarifária é válido apenas para consumidores do mercado cativo, enquanto no mercado livre de energia, o consumidor tem a vantagem de não ter aplicação do sistema de bandeiras.

O que é bandeira tarifária?

O sistema de bandeira tarifária acarreta uma cobrança adicional na conta de luz, de acordo com o custo de geração de energia.

Segundo reajuste do ano

Esse foi o segundo reajuste anunciado pela Aneel esse ano. Em junho, a surpresa foi a bandeira tarifária vermelha patamar 2 com um aumento de R$ 6,24 para R$ 9,49 a cada 100 kWh consumidos.

Dá uma olhada no cronograma de tarifas em 2021:

  • de janeiro a abril – bandeira amarela, ao custo de R$ 1,343 para cada 100 kWh;
  • em maio – bandeira vermelha patamar 1, ao custo de R$ 4,169 para cada 100 kWh;
  •  junho – bandeira vermelha patamar 2 (acionada por causa da piora das condições hídricas), com custo de R$ 6,243 para cada 100 kWh;
  • julho e agosto – mantida a bandeira vermelha patamar 2, mas no valor reajustado de R$ 9,49;
  • a partir de setembro – bandeira escassez hídrica, com valor de R$ 14,20.

Por aqui, a gente sempre fala sobre os benefícios do mercado livre de energia, né? Mas é sempre bom lembrar.

Uma das vantagens desse modelo é a previsibilidade orçamentária, uma vez que o consumidor pode adequar a negociação na contratação da sua energia elétrica e tem liberdade para escolher o seu fornecedor e a sua fonte, por exemplo.

No mercado livre, não tem aplicação de bandeira tarifária. Logo, esses reajustes anunciados pela Aneel não são válidos para o consumidor livre. Mas então você deve estar se perguntando: o mercado livre não sofre nenhuma alta nos preços diante de uma crise como a que estamos passando?

Não é bem assim! O consumidor livre continua pagando os encargos do governo, que são reajustados de acordo com os custos na geração de energia. Se os custos para gerar energia estão mais altos com o uso de térmicas, eles são repassados em todos os encargos!

Essa alta nos preços também pode ser acompanhada pelo PLD (Preço de Liquidação das Diferenças), que está em seu preço teto. Você pode acompanhar o nosso boletim semanal com as principais atualizações de mercado aqui.

Por isso, os consumidores desse modelo podem ficar expostos ao risco em uma liquidação de pagarem muito mais caro durante essa crise hídrica. E esse é o principal diferencial da 2W: os nossos clientes têm um produto de Economia Garantida. Com a migração para o mercado livre de energia com a nossa empresa, a gente garante um desconto em cima da fatura de energia do consumidor por até 15 anos.

Além de ter acesso à energia limpa, telemetria, gestão do consumo e uma equipe especialistas apoiando em todos os processos. Outro diferencial da 2W é a flexibilidade 100% para os clientes. Dessa forma, o consumidor não fica exposto a riscos.

Se a sua empresa paga uma conta de luz mensal a partir de R$ 15 mil, mande uma mensagem para a 2W. Fazemos uma análise de viabilidade gratuita para entender as suas vantagens no mercado livre de energia!

Mande um e-mail para canaldigital@2wenergia.com.br ou entre em contato com seu agente autônomo!

Fernanda Melo, Head de Marketing e Conteúdo na 2W Energia