Fale conosco

2W Weekly | 22 de Fevereiro

23 de fevereiro de 2021

Categorias:

Fique por dentro das principais variações no mercado de energia com o nosso Diretor de Trading, Artur Teixeira, e nossa Head de Middle Office, Clarissa Freitas, que trazem para você uma análise completa da semana operativa. Confira abaixo: 

Preço de Liquidação das Diferenças (PLD)

Na terceira semana operativa de fevereiro de 2021 (13/02/2021 a 19/02/2021), a média semanal do PLD fechou em R$ 173,37/MWh para o submercado Sudeste, R$ 173,36/MWh para o submercado Sul, R$ 173,51/MWh para o submercado Nordeste e R$ 173,37/MWh para o submercado Norte.
A variação em relação ao preço médio da função de custo futuro do modelo do DECOMP foi de R$ +3,48/MWh para o submercado Sudeste, R$ +3,47/MWh para o submercado Sul, R$ +3,62/MWh para o submercado Nordeste e R$ +3,48/MWh para o submercado Norte.

Na quarta semana operativa de fevereiro de 2021 (20/02/2021 a 26/02/2021), a função de custo futuro do modelo DECOMP indica um preço médio R$ 184,53/MWh para todos os submercados.

A expectativa atual do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) de Energia Natural Afluente (ENA) para o mês de fevereiro é de 70% da MTL no subsistema Sudeste, 128% da MTL no subsistema Sul, 44% da MTL no subsistema Nordeste e 65% da MTL no subsistema Norte.

A estimativa realizada hoje pela 2W Energia para o mês de fevereiro, com modelos hidrológicos do tipo Chuva X Vazão, apresenta para o subsistema Sudeste um intervalo de 71% a 73% da MLT, centrado em 72%. O subsistema Sul fica entre 122% e 123% da MLT, centrado em 122%.

A Energia Armazenada inicial em 19/02/2021 é de 26,9%/ 65,1%/ 54,6%/ 35,1% nos subsistemas Sudeste, Sul Nordeste e Norte, respectivamente.

Cenário atual e diferenças em relação à semana passada:

Precipitação realizada

A previsão meteorológica para o fim de semana simulava a atuação de uma Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS) com intensidade fraca, causando chuvas mais elevadas nas bacias do rio São Francisco, Doce, Jequitinhonha, Tocantins, Xingu e madeira, além precipitação em alguns pontos do Grande e Paranaíba
A realização ficou aderente à previsão, com destaque para volumes intensos sobre as bacias do rio Jequitinhonha e Doce.

Precipitação para os próximos 15 dias

Nos próximos dias, seguimos com a atuação chuvas fracas entre o alto Sudeste, Nordeste e Norte. Ainda nessa semana, o avanço de um novo sistema frontal, associado à formação de uma baixa pressão entre o oceano a costa do Brasil, traz um retorno da precipitação para São Paulo, Paraná e Santa Catarina a partir do dia 24/02, de acordo com o modelo ECMWF. Já o modelo GFS simula um padrão diferente, com os maiores volumes alocados sobre o oceano, fora das bacias brasileiras.
A partir do dia 02/03, ambos os modelos alocam precipitação elevada sobre as bacias do rio Paranapanema, Tietê e Paraná, diferente da previsão feita na última sexta-feira, que simulava eventos de chuva sobre as bacias do rio São Francisco e Tocantins, e volumes mais fracos no Grande e Paranaíba. Apesar do cenário atual apresentar perdas em locacionais de reservatórios significativos, os volumes atuais de chuva sobre o Sudeste são maiores, principalmente no ECMWF.

Interpretações do mercado

Após uma semana mais fraca de carnaval, com dois dias de negociações interrompidas e baixa liquidez, um fim de semana de chuvas e melhoria nos mapas fez com que o mercado amanhecesse vendedor nessa segunda feira.

Os preços fecharam o dia bem abaixo do que vinham negociando ultimamente – o mercado finalmente acreditou que a situação do SIN, principalmente no subsistema Sudeste, vai se recuperar.

Em paralelo, já vemos o operador um pouco mais brando na utilização da Geração fora da Ordem de Mérito – não aconteceu no fim de semana, e foi pouca na segunda feira.

No fechamento do dia, tivemos na tela mar/21 @151, abr/21 @139, mai/21 @139, jun/21 @175, Q3/21 @220 e Q4/21 @220. O longo prazo também não deu brecha, apesar de ter mais resistência por parte dos geradores na compra: 2020 foi negociado a 194/195, e 2023 foi negociado a 170 reais o mwh.

A tendencia agora é de que os preços sigam levemente em queda, devido as realizações climáticas e subidas de armazenamento nas regiões Sudeste e Norte – este ultimo que também apresentou vertiginosa subida na ENA nos últimos dias, colocando em cheque muitas apostas altistas dos players.

Vale sempre a ressalva de que ainda estamos no meio do período úmido e a expectativa de água nessa época é relevante, de forma que continuamos extremamente dependentes dos mapas de clima para que essa recuperação esperada de fato se concretize.

Artur Teixeira e Clarissa Freitas