Fale conosco

2W Energia conclui emissão de R$ 475 milhões em debêntures verdes do projeto Eólico Anemus

28 de julho de 2021

Estrutura de financiamento do projeto é viabilizada exclusivamente por clientes com energia 100% vendida no mercado livre pela plataforma de vendas da companhia, com PPAs mais curtos do que o prazo das debêntures.

A 2W Energia, uma das principais plataformas de energia renovável do País, realizou a emissão de R$ 475 milhões em debêntures verdes para o projeto Eólico Anemus, localizado no Rio Grande do Norte. A operação, certificada como “Green Bond” (conhecida como Título Verde), é um marco para o setor ao ser viabilizada exclusivamente por um portfólio de contratos de venda de energia (PPA – Power Purchase Agreement) para pequenas e médias empresas brasileiras no Ambiente de Contratação Livre de Energia, sem contrato de energia para mercado regulado. Os recursos serão utilizados para investimentos do projeto e foi avaliado pela Fitch com o rating AA, escala local.

Com a emissão das debêntures, o parque eólico Anemus completa o equacionamento financeiro dos recursos para sua construção. O empreendimento terá 33 aerogeradores, fornecidos pela WEG, e capacidade instalada de 138,6 MW, com início da geração previsto para setembro de 2022.  A companhia também assinou um contrato de obras e manutenção de 20 anos com a WEG, incluindo atividades de manutenção preventiva e corretiva, para assegurar uma garantia de disponibilidade média de 98%.

A energia limpa e renovável gerada por este complexo será destinada, principalmente, aos clientes da divisão de varejo da 2W, composta por pequenas e médias empresas que buscam a migração ao mercado livre de energia. Em menos de um ano, a empresa já firmou contratos dessa modalidade com cerca de 120 clientes, com prazos que vão de 3 a 15 anos, garantindo as debêntures verdes do projeto. O prazo médio dessa carteira de recebíveis pulverizada é de 7 anos.

“O mercado livre já representa 33% do consumo do país, e por isso o mercado de financiamentos também está evoluindo. Antigamente, só era possível financiar projetos de energia com PPAs de mercado regulado ou com contratos âncoras de longo prazo de grandes corporações brasileiras. Esse modelo de emissão é inovador, pois consolida uma nova forma de financiamento para projetos de energia no Brasil, baseado em um portfólio diversificado de PPAs com pequenas e médias empresas”, destaca Claudio Ribeiro, CEO da 2W Energia.

Rating AA da Fitch

A Fitch Ratings atribuiu o Rating Nacional de Longo Prazo AA, com perspectiva Estável, para a primeira emissão de debêntures do Anemus Wind. O rating reflete o estágio de construção do projeto, sendo amparado por uma fiança bancária até sua conclusão física. A receita do parque será composta exclusivamente por energia negociada no Ambiente de Contratação Livre (ACL). O projeto estará exposto ao risco de volatilidade de preço da energia, uma vez que os PPAs vencem antes do prazo da dívida, de 18 anos.

A estrutura também prevê um mecanismo de cash sweep, que será acionado caso o projeto não consiga manter as condições mínimas definidas para a rolagem da carteira de PPAs. A debênture será a única dívida do projeto, totalmente amortizável, indexada à inflação e contará com conta reserva de seis meses de serviço da dívida. A estrutura possuirá restrição para distribuição de dividendos em caso de DSCR (Índice de Cobertura de Serviço da Dívida) abaixo de 1,30.

Green Bond certificado pela Sitawi

A primeira emissão de Debêntures da Anemus Wind foi certificada pela Sitawi e está em conformidade com os Green Bond Principles e Padrões de Desempenho do International Finance Corporation (IFC). Foi caracterizada como “Título Verde” ou “Debênture Verde”, com contribuições positivas para o desenvolvimento sustentável no país.

Debêntures de Infraestrutura com prazo de 18 anos

A primeira emissão de debêntures verdes de Anemus Wind será a única dívida do projeto, com característica padrão de dívida sênior e contará com garantias de Project Finance. A emissão tem prazo de 18 anos, vencendo em 2039, com amortizações de juros e principal semestrais, e seu saldo será atualizado monetariamente pela variação do Índice de Preços ao Consumidor – Amplo (IPCA) mais juros remuneratórios de 7,2856%. O Banco BTG Pactual S.A. (BTG Pactual) atuou como estruturador e coordenador da emissão das debêntures, tendo sido também o assessor de “Project Finance” do projeto. A Fiança Completion do projeto foi emitida pelo BTG Pactual e o Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S/A (SMBC), sendo alocado a cada banco 50% do risco.

A sustentabilidade é uma das marcas da 2W Energia. Desde o ano passado, a empresa passou a integrar o Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU) e aplicar princípios alinhados aos “Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”, cumprindo 13 ODSs estabelecidos pela ONU. O Complexo Eólico Anemus irá gerar aproximadamente 732 GWh de energia renovável adicional por ano, o que é equivalente a aproximadamente 322 mil toneladas de CO2 equivalente evitadas anualmente. Com a energia gerada, será possível abastecer até 366 mil residências por mês, beneficiando mais de 1 milhão de habitantes.

A companhia ainda fará projetos sociais direcionados para as áreas de baixo IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) onde os parques eólicos serão instalados. Com os projetos, a empresa pretende reverter até 0,5% do Capex para as comunidades locais.

Até 2024, a 2W Energia prevê a construção de diversos projetos eólicos e solares nos estados do Rio Grande do Norte e Ceará, atingindo capacidade instalada de 1,1 GW com investimentos de cerca de R$ 4,5 bilhões. A geração de energia é um dos pilares da estratégia de expansão da companhia. Toda a energia gerada será direcionada para a comercialização no Mercado Livre de Energia.

2W Energia